Tor: uma obra da natureza

Este termo, numa placa informativa, situada na Grande Rota Peneda-Gerês (GR 50), nas imediações da localidade de Pitões das Júnias, aparece simplesmente definido como um conjunto de “Blocos graníticos empilhados”. 


Na verdade, trata-se de um grande afloramento rochoso que se “ergue” abruptamente do solo, como resultado da erosão (desgaste diferenciado) provocada pela ação do vento e da água. Estas formações são mais frequentes nos substratos graníticos, como é o caso, mas também podem ocorrer noutros tipos de rocha.

Curiosidades: a GR 50, com aproximadamente 200 kms, percorre os cinco municípios que integram o único Parque Nacional da Peneda-Gerês (Melgaço, Arcos de Valdevez, Ponte da Barca, Terras de Bouro e Montalegre) e as suas quatro Serras (Peneda, Soajo, Amarela e Gerês), ligando as localidades de Castro Laboreiro e Tourém, sempre por território português.

Como visitar este magnífico Tor: Outeiro (Concelho de Montalegre) – seguir a GR 50 e regressar pelo Fojo do Lobo da Portela da Fairra.

Albufeira de Paradela do Rio
Capela de S. João da Fraga
Ribeiro de Campesinho
Aldeia de Pitões da Júnias

 

 

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado.